Rufus Apollonius Antonechen

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Rufus Apollonius Antonechen

Mensagem por Admin em Dom Ago 16, 2015 9:14 pm



Nome: Rufus Apollonius Antonechen.

Data de nascimento: 08/11.

Idade: 23.

Altura: 1,86.

Classe/Ocupação: Comunidade/Engenheiro; Mecânico; Inventor; Vendedor de informações.




Aparência

Rufus é um rapaz alto com um físico bastante desenvolvido, tendo músculos bem formados e aparentes sobre sua roupa, que geralmente são camisas e calças pretas com suspensórios, que tem engrenagens como fivelas, mas por vezes também usa uma roupa um pouco mais requintada, que inclui uma cartola estilo coco. Casualmente usa seu cabelo, castanho, repicado e ondulado sobre o olho direito, mas quando está trabalhando o penteia para trás, para que não o incomode com as lentes de aumento que usa para poder ver precisamente os minúsculos allmate que cria. Seus olhos azuis e profundos podem possuir um brilho incrível, mas por vezes também apresentam uma enigmática escuridão. Em seu rosto masculino, seu sorriso perfeito consegue sobressair-se tanto quando seu olhar, tornando essa combinação, muitas vezes, irresistível para com quem ele busca uma relação. Algo que ele sempre tem consigo é um colar com um pingente de ouro no formato do sol.



Personalidade

Inicialmente Apollo era uma criança inocente e curiosa que com a vida aprendeu que se quisesse sobreviver e quisesse que quem amasse sobrevivesse não havia espaços apenas para bondade que acreditava existir no mundo. Egocêntrico, egoísta, narcisista; com sua aparência exuberante e um sorriso encantador Apollo conhece bem suas armas, usando do seu charme e inteligência para manipular as pessoas quando necessário. Nunca mede esforços para conseguir o quê ou quem quer, assim como para proteger quem ama. Tem uma fissuração inabalável por tecnologia em geral, especializando-se na criação de allmates e também no conserto de coisas antigas e rudimentares, ele mesmo não entende como pode amar tanto a nova tecnologia e ao mesmo tempo achar uma tecnologia ultrapassada fascinante, talvez seja por causa da época em que agira como caçador juntamente ao seu Tio. Quando trabalha com itens antigos, tem a sensação de que possui novamente aquele ar de inocência e curiosidade que perderá a muito...

Sua profissão requer bastante paciência e isso o moreno tem de sobra, até mesmo porque sabe que deve investir bastante tempo para conseguir aquilo que quer. Apolo raramente fica nervoso, mas quando fica nervoso é bom que todos saiam de perto dele, pois coisas nada saudáveis podem acontecer a essas pessoas que o irritaram de verdade. Apesar de dissimulado e manipulador tem um forte senso familiar e não consegue suportar quem traí seu próprio sangue, ou amigos de verdade, consegue diferenciar bem quem é um amigo de verdade e quem está apenas usando para chegar ao seu objetivo final. Está em um busca insaciável por conhecimento, prazer e por sua irmã gêmea mais velha.



História

I - Rufus nasceu em Beaumont, entretanto tão rápido quanto nasceu já foi tirado da cidade, sua mãe implorou para que seu irmão, August, o tirasse dali e o levasse para onde nasceram para que ele crescesse como um bom garoto, para que ele ao menos tivesse uma chance de sobreviver. A mulher sabia que se a esposa de seu mestre descobrisse que ela tinha um garoto, também, ele não sobreviveria, sua mestra faria de tudo para que o filho dela ficasse com tudo, mas também sabia que seu mestre protegeria sua filha, sua primogênita, ele sempre quis uma garota, e sua esposa nunca conseguiu dar a luz a uma, na verdade aquela mulher dera-lhe apenas um filho, depois disso nunca mais conseguira engravidar de novo.

“Pelo bem dele, Aug, pelo bem dele, leve-o para longe daqui, para longe de mim, para longe desse lugar, dela... Proteja-o, crie-o bem, eu sei que você pode. Adeus, Rufus” Essa foi a última frase que a mãe de Rufus disse, antes de arrancar o colar, com um pingente de ouro em formato de sol, do pescoço e coloca-lo sobre o filho dando-lhe um beijo na testa.

August junto com sua esposa – que não podia ter filhos – criaram Rufus no sopé da montanha em que viviam como servos, criaram-no como filhos deles mesmo. Para Rufus, August e Thereza eram seus pais. Apolo, como era chamado por seus pais, era uma criança extremamente alegre, não se deixava abalar por pequenas coisas, seu tio e ele sempre caçavam pela floresta nas proximidades, Apolo vinha mostrando-se um caçador nato.

II - Quando tinha 9 anos, Rufus embrenhou-se demais nas matas da floresta, mas  o medo de ficar sozinho não abateu-se sobre ele, continuou andando até que encontrou uma casa abandonada. Correu para dentro da casa para ver se podia encontrar algo que o ajudasse a localizar seu pai, mas nada achou, nada além de livros com figuras estranhas e algumas escritas, quando pegou mais um livro uma sala secreta apareceu por de trás da estante, a curiosidade não o deixava parar e ele ficou mexendo na sala até que a noite caiu por completa. Eram tantos papeis interessantes, tantas figuras estranhas, tantas coisas de metal no chão da sala, estava fascinado por tudo, queria aprender o que aquilo era.

O garoto guiou-se pelas estrelas para chegar a sua casa, essa era uma das coisas que Thereza havia ensinado, ela ensinara varias coisas fantásticas para ele, ela treinava-lhe a mente enquanto Agust seu corpo. Ambos seus pais queriam que ele fosse uma pessoa sã de corpo e alma/mente. Quando Apolo contou para os pais o que havia encontrado, eles o fizeram prometer que nunca mais voltaria lá, Apolo tentou manter sua promessa, mas a sua curiosidade era demasiadamente grande para isso, então ele sempre voltava lá, até aprender o que eram aquelas coisas, até o dia em que ele criou uma daquelas coisas para si mesmo, Vepar, um filhote de lobo.

III - Quando tinha 14 anos, Rufus perdeu seu pai em um acidente de dirigível, o quê deixou Thereza e eles desolados e em uma situação financeira difícil, eles não conseguiam mais pagar o arrendamento de suas terras para o senhor que serviam, sendo enxotados pegaram tudo que possuíam e foram morar na cidade de Portelsvillage, uma próspera cidade portuária do reino. Não se passou muito tempo que mudaram e Thereza adoeceu, sem nem pensar e com medo de perdê-la, Rufus a colocou em uma clinica para que ela fosse tratada, apesar da doença não ter uma cura poderia ser controlada, mas isso requeria muito dinheiro e eles não o tinham. Rufus trabalhava como podia para conseguir algum dinheiro para sobreviver e para o tratamento da mãe, mas isso foi ficando cada vez mais caro. Ele não sabia mais o quê fazer, não até lembrar-se de como algumas pessoas da elite da cidade o olhavam, por vezes até o assediavam... Essa era sua única opção... Faria isso, era o único modo com que conseguiria dinheiro, aquelas pessoas tinham dinheiro demais e não o usavam para fazer nada de bom.

Aos 16 anos ele não sabia como fazer isso, ainda era virgem, não fazia ideia de como poderia iniciar-se nessa vida de modo que não fosse enganado... Ele precisava de alguém, mas não tinha em quem confiar, tinha apenas a si mesmo. Tudo que sabia era que do jeito que estava no momento não conseguiria nada, não de alguém que tivesse muito dinheiro para ele tirar, então ele gastou seus últimos tostões para comprar uma roupa que o deixasse, melhor, mais atraente aos olhares de outras pessoas. Depois de se arrumar e perambular por um tempo em uma das ruas mais rica da cidade, de repente uma mulher passa por ele pegando em sua bunda e olhando-o com luxúria e um sorriso torto, ela fez sua proposta, Rufus engoliu seco, temeroso e aceitou, como não tinha ideia do que fazer ele se guiou por instinto, deixou-se levar pelo momento. Naquela noite em apenas algumas horas e de uma só mulher, ele havia ganhado o que normalmente demoraria dez dias para ganhar... Ele havia se tornado um prostituto, garoto de programa, michê seja lá como preferir chamá-lo, mas ele havia se tornado um e não se arrependia nem um pouco, era tudo para que ele e sua mãe tivessem uma vida melhor.

IV – Ele já estava acostumado com sua vida noturna, as vezes até mesmo diurna, havia algumas otárias que o pagava apenas para acompanha-las em festas e coisas do tipo, ele estava fazendo um nome nessa área, não que se orgulhasse disso, mas era o necessário, por vezes dormira até mesmo com homens, eles geralmente pagavam mais e pediam por sigilo, o que era bom para arrumar um dinheiro a mais.

Essa vida não era ruim, permitia que ele sustentasse a si mesmo e pagasse a clinica para a tia, mas não era algo que ele queria, ele não se sentia feliz com isso, sentia-se como um boneco, não era completo assim, não com isso. Sentia-se mais completo quanto estava consertando algum maquina que havia quebrado, adorava a sensação das peças em suas mãos, o rosto sujo de graxa ou óleo lhe caia bem. Sabia que precisava fazer algo mais para mudar sua vida, sabia, mas como? Talvez se... Sim aquela era sua melhor escolha e não poderia dar errado, Rufus seduziu a esposa do diretor da faculdade de tecnologia da cidade, mostrou pra ela seu talento, ambos eles... Ele a manipulou de modo que ela vicia-se nele, que ela necessitasse dele, a fez pagar seus estudos na universidade onde era invejado pela maioria dos alunos, eles não aceitavam que um camponês como ele pudesse estudar ali, não aceitavam que ele fosse muito melhor que eles.

V – Rufus já estava amargurado o bastante com a vida, pelo que ele havia se tornado, e isso só piorou quando ele soube que o médico que há tanto vinha confiando na verdade era o causador dessa estranha doença que atingiu centenas de pessoas da cidade, e descobriu também que todo o tratamento que ele fazia em sua mãe era na verdade experimentos de medicamentos que ele havia criado, para doenças que ele mesmo criara. Quando ele achou que nada poderia ficar pior, descobriu que sua mãe não tinha mais muito tempo de vida. Em seu leito de morte Thereza contou-lhe toda a verdade por trás de sua história, contou-lhe sobre Ártemisia, sua irmã gêmea, disse-lhe que ele deveria ir a Beaumont se quisesse conhece-la, também lhe contou que sua mãe-biológica morrera na mesma época em que seu pai.

Assim que se graduou na universidade tecnológica de Portelsvillage como o melhor e mais conceituado aluno que já passara por ali, Rufus juntou suas coisas e partiu em busca da sua irmã e em busca de vingança, pois descobrira que a morte de seu pai e sua mãe-biológica fora encomendada pela mulher que o afastou de sua verdadeira mãe. Ele não culpava sua progenitora, ela só quis dar a ele a melhor chance, e conseguiu isso. Threza era a melhor mãe que poderia ter pedido ao mundo e August o melhor pai, podiam ser pobres, mas sempre teve o que sua mãe biológica queria que mais tivesse: Amor.

Ele não permitiria que essas pessoas saíssem impunes depois de machucarem aqueles quem mais amou, mesmo que se manchasse, mesmo que se tornasse algo que não queria, cedo ou tarde teria sua vingança e ela começaria pelas pessoas mais próximas.

Quanto ao médico que traiu sua confiança, bem, ninguém sabe como ele morreu, a morte dele é um total mistério para todos, ninguém consegue decifrá-la, as vezes parece que ele foi torturado, outrora que ele adquiriu várias doenças, mas o mais estranho mesmo em seu corpo são marcas de mordidas de um animal que há muito foi extinto.

Allmate: Vepar seu allmate é uma loba bastante grande comparado aos lobos normais (que existiram no passado), possui pelos de um preto extremamente profundo e olhos verdes totalmente contrastantes com seu pelo. É extremamente leal a Apollo, a Lobo foi o primeiro Allmate que o jovem criou, quando tinha apenas 11 anos. Vepar não tem habilidade especial. Além de poder falar verbalmente com qualquer humano, aparentemente ele envelhece com o tempo junto com Apollo, pois quando tinha Apollo tinha 11 anos, Vepar era apenas um filhote, não se sabe se é uma habilidade com qual Apollo o criou ou se foi alo que deu errado quando o criou, mas esse último é dubitável. Vepar pode entrar em modo de combate para ajudar Apollo quando necessário, ficando ainda maior, fazendo suas garras e dentes ficarem maiores, mais afiadas e resistentes.



Informações adicionais

• Rufus sabe apenas o nome de sua irmã, não sabe a qual família ela pertence, também sabe que a família que expulsou Thereza e ele daquelas terras tem ligações profundas com a da esposa de seu progenitor. Rufus está em Beaumont há três anos, quando ele chegou lá, abriu uma pequena loja e oficina para vender coisas que cria, mas também trabalha para uma empresa bastante conceituada da cidade.  O único método que tem para reconhecer sua irmã é um colar de ouro branco em forma de lua que ela possui.

• Rufus prefere ser chamado de Apolo, por pessoas que lhe são queridas, pois quando era pequeno seus tios/pais o chamavam de Rufus quando estavam bravos. Também odeia mais que tudo que o chamem de Apollonius.


Admin
Admin

Mensagens : 34
Data de inscrição : 02/04/2014

Ver perfil do usuário http://affaireschant.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum